Mentes

Um fórum que busca integrar portadores, profissionais e simpatizantes dos mais variados assuntos psicológicos.

Você está ouvindo a Rádio USP
 
InícioInício  PortalPortal  SitesSites  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  FAQFAQ  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 A revolução do cérebro

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Sidnei
Administrador
Administrador
avatar

Número de Mensagens : 37
Idade : 32
Localização : São Paulo
Categoria : Portador
Data de inscrição : 15/01/2008

MensagemAssunto: A revolução do cérebro   Sab Fev 16, 2008 6:41 am

A revolução do cérebro

A máquina mais complexa do Universo está na sua cabeça. Agora que começamos a entender como ela funciona, descobrimos capacidades que nem imaginávamos. Saiba quais são esses superpoderes - e o que fazer para adquiri-los

O seu cérebro é capaz de quase qualquer coisa. Ele consegue parar o tempo, ficar vários dias numa boa sem dormir, ler pensamentos, mover objetos a distância e se reconstruir de acordo com a necessidade. Parecem superpoderes de histórias em quadrinhos, mas são apenas algumas das descobertas que os neurocientistas fizeram ao longo da última década. Algumas dessas façanhas sempre fizeram parte do seu cérebro e só agora conseguimos perceber. Outras são fruto da ciência: ao decifrar alguns mecanismos da nossa mente, os pesquisadores estão encontrando maneiras de realizar coisas que antes pareciam impossíveis. O resultado é uma revolução como nenhuma outra, capaz de mudar não só a maneira como entendemos o cérebro, mas também a imagem que fazemos do mundo, da realidade e de quem somos nós. Siga adiante e entenda o que está acontecendo (e aproveite que, segundo uma das mais recentes descobertas, nenhum exercício para o seu cérebro é tão bom quanto a leitura).

Superpoder 1 - Mudar a própria forma
Spoiler:
 
Superpoder 2 - Regenerar suas partes
Spoiler:
 
Superpoder 3 - Mover objetos
Spoiler:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://mentes.forumeiro.com
Sidnei
Administrador
Administrador
avatar

Número de Mensagens : 37
Idade : 32
Localização : São Paulo
Categoria : Portador
Data de inscrição : 15/01/2008

MensagemAssunto: Re: A revolução do cérebro   Sab Fev 16, 2008 6:46 am

Superpoder 4 - Ler pensamentos
Spoiler:
 
Superpoder 5 - Ampliar seus poderes
Spoiler:
 

Depressão não é tristeza?

A teoria tradicional diz que a depressão é uma deficiência de serotonina um neurotransmissor relacionado a funções como o humor, o sono e o apetite e, para combatê-la, tudo o que os antidepressivos fazem é aumentar a quantidade dessa substância no cérebro. Mas duas questões nessa teoria intrigam os cientistas há algum tempo. A primeira é que, pouco depois de tomar esses remédios, o cérebro já está cheio de serotonina e, no entanto, nada acontece. O segundo é que os efeitos esperados só vão aparecer um mês depois. Um mês é exatamente o tempo que o cérebro leva para produzir novos neurônios e fazê-los funcionar. Foi daí que se suspeitou que existe uma relação entre a depressão e a queda na produção de novas células no cérebro.

Outros indícios reforçaram a hipótese: o estresse um dos principais fatores que desencadeiam a depressão também inibe a neurogênese, como se o cérebro estivesse mais preocupado em sobreviver ao fator estressante que em produzir neurônios para o futuro. Mas a primeira evidência concreta veio em 2000, quando cientistas americanos mostraram que os principais tratamentos antidepressivos aumentam a neurogênese em ratos adultos. No ano seguinte, percebeu-se também que bloquear o nascimento de neurônios em ratos tornava ineficazes os antidepressivos. Agora a esperança é encontrar uma forma de estimular a neurogênese e, com isso, aliviar a depressão. Ao que indicam esses estudos, essa doença pode não ser só um estado de tristeza, mas, sim, o efeito da falta de neurônios novos e da conseqüente perda da habilidade de se adaptar a mudanças.

Este é o seu cérebro em...

Paixão
Muita coisa muda, mas poucas relacionadas ao desejo sexual. Os sistemas mais acionados são os de motivação e recompensa, também usado quando um viciado consome drogas ou quando um apostador ganha um prêmio. Para os pesquisadores, é uma resposta parecida com a que os demais mamíferos apresentam ao buscar um parceiro adequado.

Susto
O sentimento de uma possível ameaça faz dois caminhos no cérebro. Um é direto para um estrutura chamada amígdala, responsável por lidar com fortes estímulos emocionais e capaz de dar respostas rápidas, como aumentar os batimentos cardíacos. O segundo passa pelo córtex e é mais lento, mas é onde percebemos se aquilo é mesmo algo perigoso ou apenas um susto.

Humor
Ver cartuns aciona sistemas relacionados à linguagem e ao processamento de imagens para que você entenda a graça. Mas, uma vez que você pegou a piada, muda tudo lá no cérebro. Aí acendem sistemas de recompensa, que estão ligados a vários tipos de prazer. Curiosamente, isso acontece mais em mulheres que em homens ninguém ainda sabe explicar bem por quê.

Concentração
Segundo cientistas israelenses, em tarefas que exigem muita atenção (como identificar uma imagem em uma série rápida de figuras), o cérebro concentra os esforços em áreas sensoriais e silencia uma região associada ao sentimento de introspecção. O que significa que, diante de uma tarefa difícil, você literalmente esquece que a vida existe.

A máquina de ler mentes

Cuidado com o que você pensa. Alguns laboratórios já criaram técnicas para ler a mente. Em 2005, pesquisadores japoneses mostraram para voluntários padrões de linhas em várias direções enquanto escaneavam o cérebro com aparelhos de ressonância magnética funcional (RMF). Em seguida, analisaram as áreas acionadas durante a experiência e conseguiram deduzir qual padrão os voluntários estavam vendo.

A brincadeira deve esquentar até o final do ano. É quando duas empresas americanas a Cephos e a No Lie MRI devem levar ao mercado os primeiros detectores de mentiras baseados em RMF. A diferença em relação aos detectores tradicionais é a precisão: não dá para enganar uma máquina que está olhando dentro da sua cabeça. A técnica parte do princípio de que, para o cérebro, contar uma mentira é difícil envolve as mesmas áreas de falar a verdade e algumas outras mais , como se a sua mente precisasse primeiro ocultar o impulso de dizer a verdade e depois inventar uma mentira. Ou seja, se alguém perguntar o seu nome, ele automaticamente aparece na sua cabeça. Se quiser mentir, você terá que primeiro esquecê-lo e depois inventar um outro.

Ainda é bastante complicado usar essas máquinas a pessoa precisa ficar completamente imóvel dentro de um enorme tubo e por isso se acredita que, a princípio, ela será usada apenas por voluntários dispostos a confirmar sua versão da história. Mas, com o tempo, é possível que ela se torne disponível em todo tipo de julgamento e até em salas de embarque de aeroportos ou em entrevistas de emprego. Fascinante. E assustador.

Colocando um freio no tempo

Não é muito difícil fazer minutos e segundos durar mais. Algumas drogas ilegais bastante disponíveis fazem isso. Monges em meditação, atletas no auge de sua atividade e pessoas muito concentradas em sua atividade têm a mesma impressão. E pesquisas científicas podem encontrar outras formas de fazer isso, à medida que os cientistas comecem a decifrar os mecanismos com os quais percebemos a passagem do tempo. O nosso cérebro tem 3 relógios. O primeiro determina o ritmo dos dias, os momentos de sono ou de alerta. Outro controla atividades que duram milésimos de segundo, como as que se passam no controle de atividades motoras finas. Já o terceiro fica no meio do caminho, no ritmo dos minutos e segundos, e é em grande parte aí que está nossa consciência da passagem do tempo. No ano passado, pesquisas com técnicas de imagem feitas na Universidade Duke, EUA, levaram a um modelo de como ele funciona. O segredo pode estar no corpo estriado, uma região bem na base do cérebro que monitora as ondas que os demais neurônios emitem ao produzir suas atividades. Assim como um maestro dá o ritmo de uma orquestra, essa região integra todas essas ondas em uma estimativa da passagem do tempo. No futuro, talvez seja possível manipular neurotransmissores nessa região e, dessa forma, fazer o tempo passar mais devagar sem sofrer outros efeitos colaterais. Até lá, a única forma é tentar formas mais naturais de esticar os minutos e segundos, como exercícios de meditação e concentração, ou simplesmente ficando parado: afinal, sempre que você está sem fazer nada, o tempo passa mais devagar.

Fonte: Edição de Agosto de 2006 da Revista Super Interessante
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://mentes.forumeiro.com
Saphira
Iniciante
Iniciante
avatar

Número de Mensagens : 45
Idade : 36
Localização : Neverland - Jahumaica
Categoria : Portador
Data de inscrição : 17/01/2008

MensagemAssunto: Re: A revolução do cérebro   Qua Fev 20, 2008 7:03 pm

Muito interessante...melhor....super interessante. Exclamation
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://www.sum_constantia.weblogger.com.br
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: A revolução do cérebro   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
A revolução do cérebro
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Coisas do cérebro
» Cilindro de revolução
» (AFA) Sólido de Revolução
» Sólido de revolução
» ITA - sólido de revolução

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Mentes :: Geral :: Interessantes-
Ir para: